quinta-feira, 1 de junho de 2017

[CULTURA] - Pesquisador amazonense lança e-book sobre futebol local do início do Século XX

Teófilo Benarrós de Mesquita
Foto: Divulgação

Manaus/AM - O encontro do antigo com o novo. As descobertas sobre os primeiros movimentos do futebol em terras amazonenses, especificamente no período de 1903 a 1914 - ano em que se disputou pela primeira vez o Campeonato Amazonense de Futebol -, em 620 páginas, por e-book.

Com o título Memórias do Esporte Bretão Caboclo, o Professor e Historiador Gaspar Vieira Neto apresenta vários fatos inéditos sobre o futebol amazonense, descobertos após cinco anos de pesquisas, no Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA), Museu amazônico, Biblioteca Pública e Centro Cultural Povos da Amazônia. "Noventa e cinco por cento da pesquisa foi no acervo do IGHA", esclarece Vieira Neto.

A obra é recheada de fotos centenárias. Vieira Neto cita (e mostra fotos) os primeiros campos de futebol do Estado do Amazonas, com destaque para a Praça Floriano Peixoto, de onde se tem registro da disputa do primeiro jogo de futebol no Amazonas. "A Praça Floriano Peixoto não existe mais. Atualmente no local funciona o Hospital Militar, no bairro da Cachoeirinha", diz o Historiador.

Outros lugares onde o futebol deu seus primeiros passos (e passes) foram as Praças Antonio Bittencourt (Praça do IEA ou do Congresso), Praça da Saudade (próximo à atual Sede do Rio Negro/AM), Praça da República (também conhecida como Dom Pedro II, no Centro da cidade, bem no início da atual avenida Sete de Setembro) e a já desaparecida Praça General Carneiro (bairro da Cachoeirinha) e Campo dos Aprendizes e Marinheiros (Quartel da Marinha, no bairro de Educandos).

As fotos também retratam uma realidade da época que foi se aperfeiçoando: os times posados. Se hoje, as fotos trazem jogadores em pé e agachados, naqueles tempos os escretes perfilavam-se em três fileiras. E invariavelmente com a presença dos dirigentes maiores das agremiações. Sem falar que os jogadores se equipavam, nos tempos primórdios, quase como se fossem sair para uma festa ou baile - muito charme e capricho nos uniformes. "Até cinto eles usavam para prender mais firmemente os calções. Na pesquisa, encontrei referências e anúncios de lojas especializadas na venda desse tipo de acessório para o futebol", revela Gaspar Vieira Neto.

Outra surpresa, nas pesquisas, foi a descoberta que as rivalidades da época já eram bem passionais e envolvendo mulheres. "Li registros de brigas, em razão dos jogos de futebol. Envolvia admiradoras das agremiações, que era o termo usado no início do Século XX para identificar as torcedoras. Encontrei também registro de briga nos bondes, que era o meio de transporte daqueles tempos", diz Vieira Neto.

O lançamento do e-book Memórias do Esporte Bretão Caboclo vai ser neste mês de junho, em data a ainda ser definida. As vendas serão pelos sites Amazon, Saraiva e pelo site pessoal do Historiador, que está em fase final de construção. O autor não descarta, futuramente, o lançamento do livro em forma física, "basta aparecer Editoras interessadas", afirma Gaspar Vieira Neto.

Para adquirir o e-book diretamente com o autor, basta fazer contato pelo e-mail gaspar.vieira.neto@gmail.com.

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

Nenhum comentário:

Postar um comentário