sexta-feira, 17 de março de 2017

[BOM DIA MUSICAL] - Como Nossos Pais, com Elis Regina

Teófilo Benarrós de Mesquita
Manaus/AM - Quantas Elis(s) Regina(s) você conhece?? Ela revolucionou a Música Popular Brasileira e fez Mães inspiradas batizarem suas filhas, há décadas, com esse nome - forte, múltiplo, encorajador; do jeitinho que foi a Pimentinha, assim apelidada em razão de seu forte temperamento, tão forte quanto à sua competência e talento. Nos deixou no auge de sua carreira, vitimada por uma overdose, em 19 de janeiro de 1982, aos 36 anos.

Generosa, sua carreira foi marcada, também, por abrir as portas para novos e até então desconhecidos compositores, com Milton Nascimento, Ivan Lins, Belchior, Renato Teixeira, Aldir Blanc e João Bosco.

Vanguardista, foi a primeira pessoa a inscrever a própria voz como se fosse um instrumento, na Ordem dos Músicos do Brasil.

Gaúcha de Porto Alegre/RS, se viva fosse, Elis Regina Carvalho Costa completaria nesta sexta-feira (17/03), 72 anos de idade.

O Blog do Teófilo apresenta Como Nossos Pais, em Homenagem a Melhor Voz Feminina da Música Brasileira, prêmio conquistado em 2013, concedido pela Revista Rolling Stone.

Escute a música em https://www.youtube.com/watch?v=2qqN4cEpPCw

Viver é melhor que sonhar... Eu sei que o amor é uma coisa boa, mas também sei que qualquer canto é menor do que a vida de qualquer pessoa

Não quero lhe falar
Meu grande amor
Das coisas que aprendi
Nos discos
Quero lhe contar como eu vivi
E tudo o que aconteceu comigo

Viver é melhor que sonhar
Eu sei que o amor
É uma coisa boa
Mas também sei
Que qualquer canto
É menor do que a vida
De qualquer pessoa

Por isso cuidado, meu bem
Há perigo na esquina
Eles venceram e o sinal
Está fechado pra nós
Que somos jovens

Para abraçar seu irmão
E beijar sua menina na rua
É que se fez o seu braço
O seu lábio e a sua voz

Você me pergunta
Pela minha paixão
Digo que estou encantada
Como uma nova invenção
Eu vou ficar nesta cidade
Não vou voltar pro sertão
Pois vejo vir vindo no vento
Cheiro de nova estação
Eu sinto tudo na ferida viva
Do meu coração

Já faz tempo
Eu vi você na rua
Cabelo ao vento
Gente jovem reunida
Na parede da memória
Essa lembrança
É o quadro que dói mais

Minha dor é perceber
Que apesar de termos
Feito tudo o que fizemos
Ainda somos os mesmos
E vivemos
Ainda somos os mesmos
E vivemos
Como os nossos pais

Nossos ídolos
Ainda são os mesmos
E as aparências
Não enganam não
Você diz que depois deles
Não apareceu mais ninguém

Você pode até dizer
Que eu tô por fora
Ou então
Que eu tô inventando

Mas é você
Que ama o passado
E que não vê
É você
Que ama o passado
E que não vê
Que o novo sempre vem

Hoje eu sei
Que quem me deu a idéia
De uma nova consciência
E juventude
Tá em casa
Guardado por Deus
Contando o vil metal

Minha dor é perceber
Que apesar de termos
Feito tudo, tudo
Tudo o que fizemos
Nós ainda somos
Os mesmos e vivemos
Ainda somos
Os mesmos e vivemos
Ainda somos
Os mesmos e vivemos
Como os nossos pais


Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

quinta-feira, 16 de março de 2017

[HANDEBOL] - Taça Laércio Miranda começa neste sábado

Da Assessoria de Comunicação da Sejel
Fotos: Mauro Neto/Sejel

Manaus/AM - Os amantes do Handebol do Amazonas vão iniciar a comemoração dos 10 anos da Liga de Handebol do Amazonas (Liham) com a abertura da Taça Laércio Miranda, no próximo sábado (18/03). O tradicional Ginásio Aristóphano Antony, do Rio Negro/AM, no Centro, vai ser o palco dos três jogos da primeira rodada que ocorrem a partir das 16 horas. Pelo naipe Masculino se enfrentam Japiim Handebol/AM - La Salle/AM e Rio Negro/AM - Isaías de Vasconcelos/AM. No naipe Feminino o Rio Negro/AM enfrenta a Liga de Santa Etelvina/AM.

Show com Dj’s e apresentação de grupos de danças vão agitar os intervalos dos jogos. Na abertura da competição programada para às 19 horas, as 12 equipes Masculinas e cinco Femininas serão apresentadas para o público. O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) apoia o evento.

“É a competição que abre a Temporada dos jogos de Handebol. Já tivemos o curso para os novos árbitros e agora vamos para os jogos. Todo ano homenageamos o Laércio Miranda que foi ex-Presidente da Federação Amazonense de Desportos Atléticos (FADA) e posteriormente o primeiro presidente da extinta Federação Amazonense de Handebol”, disse o presidente da Liham, Auricélio Andrade.

O primeiro evento da temporada, também, vai servir de esquenta para as equipes se prepararem para as disputas regionais e nacionais. “Neste ano estaremos sediando três competições nacionais aqui em Manaus/AM, a Liga Norte Masculina e Feminina de Handebol, que dá vaga para a Liga Nacional, e o Campeonato Brasileiro Adulto Feminino”, contou.

Na edição 2016 da Taça Laércio Miranda, a equipe do Adalberto Valle faturou o torneio nos dois naipes. “É uma competição de tiro curto e vai terminar no início de maio. As equipes serão divididas em duas chaves de seis times. As equipes masculinas se enfrentam e classificam-se duas equipes para a Semifinal e Final. As equipes femininas também vão se enfrentar, as quatro melhores se classificam para Semifinal e Final”, explicou.
JOGOS DA PRIMEIRA RODADA
Japiim Handebol/AM 0 La Salle/AM - Masculino - 16 horas
Rio Negro/AM - Liga de Santa Etelvina/AM - Feminino - 17h30min
Abertura Oficial - 19 horas
Rio Negro/AM - Isaías de Vasconcelos/AM - Masculino - 19h30min

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[ATLETISMO] - Suframa realiza 5ª Edição da Corrida Ruy Lins

Da Assessoria de Comunicação da Sejel
Fotos: Mauro Neto/Sejel

Manaus/AM - Principal responsável por estimular o desenvolvimento socioeconômico em Manaus/AM e na Amazônia Ocidental, a Zona Franca completa 50 anos em 2017. E para celebrar o quinquenário, muita saúde e qualidade de vida vão estar presentes no próximo sábado (18/03), na 5ª Edição da Corrida Ruy Lins. A largada e chegada ocorrem em frente à sede da Suframa, localizada na BR 319, quilômetro 5, Distrito Industrial. O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) apoia o evento.

Programada para iniciar às 17 horas, a corrida que leva o nome do ex-Superintendente responsável pela expansão do Distrito Industrial e ampliação da Autarquia nos demais Estados da Amazônia Ocidental, deverá reunir mais de 3 mil participantes nas disputas de 3 quilômetros e 6 quilômetros.
"A corrida tem o objetivo de congregar os servidores da Suframa, os parceiros e a população. Em 2017, a Zona Franca comemora seus 50 anos e a Corrida faz parte da programação de comemoração. Esperamos a participação de mais de 3 mil pessoas entre corredores e público”, declarou o presidente da Comissão Organizadora da corrida, Frederico Aguiar.

O conceito de saúde e bem-estar proposto pela corrida também ganhou uma causa nobre. Os participantes que realizaram as inscrições terão que doar 1 quilo de leite em pó. A entrega ocorrerá no ato da retirada do kit do atleta. “No ato do recebimento do kit, o inscrito deverá entregar um quilo de leite que será doado para as instituições filantrópicas. Nosso objetivo é comemorar os 50 anos da Suframa ajudando instituições como a Casa da Criança e o Abrigo Monte Salém", contou a coordenadora do evento, Jaíze Alencar, ressaltando a premiação dos competidores.

“A corrida é filantrópica e não cobramos valores nas inscrições. Além de medalhas para quem ultrapassar a linha de chegada, todos os participantes vão concorrer a brindes e prêmios”, concluiu.
Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[BOM DIA MUSICAL] - Flores, com Branco Mello (Titãs)

Teófilo Benarrós de Mesquita
Foto: Divulgação

Manaus/AM - Ele é um dos 9 integrantes originais da Banda Nacional Titãs, que começou sua trajetória em 1982, com a denominação de Os Titãs do Iê Iê Iê... Dos nove integrantes, seis eram vocalistas. Arnaldo Antunes, Branco Mello e Ciro Pessoa cantavam e faziam vocais de apoio. Sérgio Britto, Nando Reis e Paulo Miklos, além de cantarem, se revezavam entre os teclados e o baixo. Completavam o grupo André Jung, na bateria, Marcelo Fromer na guitarra rítmica e Tony Belloto na guitarra solo. Ciro Pessoa rapidamente deixou o grupo, antes mesmo do lançamento do primeiro álbum da banda, em 1984. André Jung era o baterista inicial, mas foi substituído por Charles Gavin no início de 1985, estabelecendo a formação clássica da banda.

Os principais sucessos dos Titãs na voz de Joaquim Cláudio Corrêa de Mello Júnior, mais conhecido como Branco Mello, são Televisão, Cabeça Dinossauro, Flores e A Melhor Banda de todos os Tempos da Última Semana. Nesta quinta-feira (16/03), o Cantor, Compositor, Músico e Ator está completando 55 anos e o Blog do Teófilo o homenageia.

BOM DIA, COM FLORES !!!

Escute a música em http://www.kboing.com.br/titas/1-1235487/

Há flores por todos os lados, há flores em tudo que eu vejo

Olhei até ficar cansado
De ver os meus olhos no espelho
Chorei por ter despedaçado
As flores que estão no canteiro
Os punhos e os pulsos cortados
E o resto do meu corpo inteiro
Há flores cobrindo o telhado
E embaixo do meu travesseiro
Há flores por todos os lados
Há flores em tudo que eu vejo

A dor vai curar essas lástimas
O soro tem gosto de lágrimas
As flores têm cheiro de morte
A dor vai fechar esses cortes
Flores
Flores
As flores de plástico não morrem

Olhei até ficar cansado
De ver os meus olhos no espelho
Chorei por ter despedaçado
As flores que estão no canteiro
Os punhos e os pulsos cortados
E o resto do meu corpo inteiro
Há flores cobrindo o telhado
E embaixo do meu travesseiro
Há flores por todos os lados
Há flores em tudo que eu vejo

A dor vai curar essas lástimas
O soro tem gosto de lágrimas
As flores têm cheiro de morte
A dor vai fechar esses cortes
Flores
Flores
As flores de plástico não morrem
Flores
Flores
As flores de plástico não morrem


Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

quarta-feira, 15 de março de 2017

[CAMPEONATO AMAZONENSE 2017] - Improvisado no ataque, Fábio Gomes garante vitória do Fast Clube/AM contra Penarol/AM

Teófilo Benarrós de Mesquita
Foto: Antonio Assis/Site Oficial da FAF
http://fafamazonas.com.br

Manaus/AM - Num final de partida emocionante, o Fast Clube/AM estreou com vitória na abertura do Campeonato Amazonense de 2017, superando o Penarol/AM por 1-0, gol marcado aos 48 minutos do segundo tempo. Para aumentar o grau de emoção e dramaticidade, o gol salvador foi do zagueiro Fábio Gomes, que entrou em campo 11 minutos antes, para jogar improvisado de atacante. Voluntarioso, mas sem qualquer cacoete para a função, Fábio Gomes rodou feio pião doido o tempo todo que ficou em campo, sem tocar na bola. Seu primeiro toque foi a cabeçada fulminante, feito uma flecha, após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo ofensivo, que levou a pequena torcida fastiana presente ao Estádio Municipal Jornalista Carlos Zamith, jogadores e membros da Comissão Técnica ao êxtase.

O primeiro tempo foi de muita vontade e muita bola rolando, mas pouca emoção. O Fast Clube/AM tinha mais posse de bola, bem ao seu estilo de trocar passes em busca da melhor oportunidade de dar o bote ofensivo. O Penarol/AM jogava claramente em busca de um empate, recuado, com três zagueiros bem postados - Preto Marabá, Samir e Júnior; dois laterais contidos no avanço - Kitó e Edicleber e muita marcação cerrada. Só não conseguia encaixar contra-ataques;

Aos sete minutos, numa saída de bola errada do Penarol/AM, Charles lançou Railson, que bateu cruzado, mas muito mal. Três minutos depois o Edicleber cruzou da esquerda buscando Rodrigo Marajó, com Bianor se antecipando e tirando de cabeça. Mais dois minutos de bola correndo e Léo Silva é acionado, mas mais uma vez Bianor cortou a jogada. Aos 19 minutos, Alex Piauí, livre na entrada da área, arriscou de primeira um rebote, mas muito por cima.

As melhores chances do primeiro tempo ocorreram na parte final. Aos 37 minutos Rodrigo Marajó foi lançado em contra-ataque, bailou na frente de Thyago Brandão e bateu à direita de Naylson, assustando. Três minutos depois a chance foi do Fast Clube/AM, em cruzamento de André Luiz da esquerda. Charles escorregou no meio da área e Roberto Dinamite surgiu livre, de frente para o gol, batendo com estilo, de chapa, buscando o ângulo superior esquerdo de Paulo Roberto, errando por pouco.

Os times mantiveram o pique do final do primeiro tempo e a etapa complementar foi mais movimentada e como mais objetividade ofensiva. E teve um final surpreendente, cheio de emoções. Ronni entrou no lugar de Alex Piauí e Werley na vaga de Emerson Tavares, com Railson voltando a ser improvisado como lateral-direito. Com apenas 30 segundos de jogo, o Penarol/AM tomou um susto, após cruzamento de André Luiz pela esquerda que Paulo Roberto largou para depois defender definitivamente. Aos seis minutos, Werley perdeu a jogada no meio de campo, Rodrigo Marajó avançou em velocidade e sofreu falta de Bianor na entrada da área. Na cobrança, o zagueiro e capitão Preto Marabá acertou a barreira. Na sequência da jogada, nova falta perigosa. E novamente Preto Marabá desperdiçou, batendo na barreira. No rebote, ele isolou.

Como o Penarol/AM estava melhor no início do segundo tempo, João Carlos Cavalo sacou Rodrigo e acionou Edinho Canutama, a segunda e última opção ofensiva no banco de reservas. A alteração surtiu efeito e o Fast Clube/AM reequilibrou as ações. Aos 13 minutos, Marlon arriscou de fora da área, com muita força e efeito, com Naylson rebatendo com dificuldade. No minuto seguinte, o ameaçado foi Paulo Roberto, em descida de Charles pela esquerda, batendo rasteiro, no canto direito, com o goleiro penarolense mandando a escanteio, em difícil defesa. Dois minutos depois, Edinho Canutama recebeu na direita, se livrou do marcador e bateu cruzado, com Paulo Roberto se esticando todo e mandando a escanteio.

Roberto Dinamite arriscou de fora da área, aos 23 minutos, com Paulo Roberto defendendo com dificuldade, de manchete. Cinco minutos depois Rodrigo Marajó arrancou em velocidade mas perdeu o ângulo da batida. Humberto Gomes, no Penarol/AM, fez substituições deixando o time mais compacto na defesa, jogando claramente pelo empate ou por uma oportunidade de contra-ataque. Sem outras opções ofensivas no banco de reservas, depois de colocar Werley e Edinho Canutama em campo, João Carlos Cavalou arriscou e ousou, colocando o zagueiro Fábio Gomes para jogar de atacante, aos 37 minutos.

Em diversos momentos, Fábio Gomes foi o jogador mais avançado do time, mais até que Charles. E corria muito, mesmo sem tocar na bola. Quando o Penarol/AM ensaiava um contra-ataque, Fábio Gomes reforçava a defesa. Quando o Fast Clube/AM tinha a posse de bola, lá ia o zagueiro, voando, para seu novo posto...

Em mais uma conclusão de fora da área, Rodrigo Marajó exigiu outra difícil defesa de Naylson. Aos 43 minutos, após cruzamento da direita, Júnior falhou, furando, e Charles dominou no peito com estilo, mas bateu com muita força, por cima do travessão. Em seguida, Werley arrancou pelo meio e bateu com força, também por cima. No contra-ataque, Rodrigo Marajó serviu a Kitó, pela direita, que cruzou errado, para fora.

Os minutos finais da partida foram emocionantes, com o Fast Clube/AM pressionando pela vitória. Em cobrança de falta de Robinho, aos 47 minutos, a bola explodiu no travessão e no rebote Charles quase fez de letra, ganhando escanteio. Na cobrança, cabeçada de Thyago Brandão com perigo, raspando a trave, com desvio do goleiro para novo escanteio. A pressão surtiu efeito e aos 48 minutos, após escanteio pela direita, Fábio Gomes surgiu livre, como uma flecha, no meio da área, cabeceando para o gol, em seu primeiro toque na bola.

Os jogadores do Penarol/AM reclamaram uma falta sobre o goleiro Paulo Roberto, sobrando cartão amarelo para Kitó. Não havia mais tempo para reação e assim terminou o jogo inaugural do Campeonato Amazonense 2017, com vitória fastiana por 1-0. Sábado (18/03), três jogos complementam a primeira rodada: Princesa do Solimões/AM - Holanda/AM, em Manacapuru/RM; Rio Negro/AM - São Raimundo/AM, em Manaus/AM, na Colina; e Nacional/AM - Manaus FC/AM, no Zamith, também em Manaus/AM. Pela segunda rodada, o Penarol/AM receberá o São Raimundo/AM, em Itacoatiara/AM e o Fast Clube/AM recebe o Princesa do Solimões/AM, novamente no Zamith. Antes, o time faz o Jogo de Volta da Copa Verde, contra o Santos/AP, em Macapá/AP, neste domingo (19/03).

Ficha Técnica:
Fast Clube/AM 1-0 Penarol/AM
Terça-feira, 14 de março de 2017, às 20 horas (de Manaus/AM)
Estádio Municipal Jornalista Carlos Zamith, em Manaus/AM
Campeonato Amazonense 2017
Primeira Rodada da Primeira Fase
Árbitro: Reginaldo Vasconcelos Noronha/AM
Assistente 1: Anne Kesy Gomes de Sá/AM
Assistente 2: Uescléi Regison Pereira dos Santos/AM
4º Árbitro: Odson Santos da Silva/AM
Delegado: Lázaro D'Ângelo Pinheiro/AM
Renda: R$ 3.210,00
Público pagante: 290
Cartões amarelos: Alex Piauí 23 e Cléber 44 minutos do primeiro tempo. Charles no intervalo. Bianor 7, Wervely 13, Ronni 14, Thyago Brandão 38 e Kitó 48 minutos do segundo tempo.
Gol: Fábio Gomes 48 minutos do segundo tempo.
Fast Clube/AM: Naylson; Emerson Tavares (Werley, no intervalo), Bianor, Thyago Brandão e André Luiz; Cleber (Fábio Gomes 38/2º), Roberto Dinamite, Rodrigo (Edinho Canutama 7/2º) e Railson; Charles e Robinho. Treinador: João Carlos Cavalo.
Suplentes: Guanair Júnior, Fábio Gomes, Velho, Renê, Vinícius, Werley e Edinho Canutama.
Penarol/AM: Paulo Roberto; Kitó, Preto Marabá, Samir, Júnior e Edcleber; Marlon, Alex Piauí (Ronni, no intervalo) e Léo Silva (Gigue 20/2º); Alex (Jorginho 31/2º) e Rodrigo Marajó. Treinador: Humberto Santos.
Suplentes: Ray, Ronni, Gigue, Roniel, Jorginho, Gereco e Willian.

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[BOM DIA MUSICAL] - Bandolins, com Oswaldo Montenegro

Texto e Foto: Site Oficial do Cantor
http://www.oswaldomontenegro.com.br

Manaus/AM - O Blog do Teófilo Homenageia Oswaldo Montenegro, aniversariante desta quarta-feira (15/03), completando 61 anos. Confira abaixo a trajetória deste extraordinário Artista, em biografia extraída de seu site.

Oswaldo Viveiros Montenegro nasceu em 15 de março de 1956, no Grajaú, Rio de Janeiro, filho mais velho de quatro irmãos. Sempre adorou ler e devorava coleções de Júlio Verne, Monteiro Lobato, Malba Tahan. Aos 7 anos mudou-se para São João Del Rey, Minas Gerais, onde passou boa parte da infância. O espírito seresteiro de Minas influenciou toda a vida de Oswaldo. À noite, pulava a janela de casa para acompanhar amigos de seu pai em serestas noturnas para namoradas. Apaixonado por essa música tão viva e presente em seu dia a dia começou, aos 8 anos, a estudar violão com um desses seresteiros e compôs sua primeira canção, Lenheiro, nome do rio que corta a cidade.

Aos 13 anos, já de volta ao Rio de Janeiro, venceu seu primeiro festival, com a Canção Pra Ninar Irmã Pequena, música que mais tarde gravaria na trilha do vídeo O Vale Encantado, com o título Canção Pra Ninar Gente Pequena. Em 1971, mudou-se com a família para Brasília, cidade que viria a adotar e que é tema constante em sua obra. Foi nessa cidade que Oswaldo conheceu e manteve estreito contato com a família Prista Tavares, da qual fazia parte o Maestro Otávio Maul. Essa foi uma influência decisiva. Através deles, entra em contato com a música erudita. Apaixonado, assiste a concertos, conhece obras, passa noites conversando, se interessa pela técnica e teoria musicais. Estuda muito sozinho, lendo sem parar obras que caem em suas mãos sobre Música, História da Música, grandes compositores.

Aos 14 anos, ainda em Brasília, começou a participar com freqüência dos festivais da cidade. Conhece, então, amigos e parceiros que o acompanhariam pela vida a fora como José Alexandre, Raimundo Marques, Ulysses Machado, Madalena Salles. Começa a fazer shows e a escrever arranjos para suas músicas.

Em 1972 teve a música Automóvel classificada no último Festival Internacional da Canção, da Globo. Apresenta-se, assim, pela primeira vez, num Festival de vulto nacional. Chegou a cursar duas Faculdades, Comunicação e Música, ambas incompletas.

Em 1974, em parceira com o amigo de infância e parceiro Mongol, escreveu sua primeira peça musical, João sem Nome, encenada em 1975, no Teatro Martins Pena, de Brasília. Em 1976, o espetáculo é reencenado, dirigido dessa vez por Hugo Rodas, coreógrafo uruguaio que viria a ter grande influência no trabalho de teatro de Oswaldo. Essa segunda montagem é apresentada no Rio de Janeiro, onde é assistida pelo renomado crítico de teatro Yan Mishalsky, que compara o grupo aos antigos menestréis que, na Idade Média, sobre uma carroça, corriam de cidade em cidade, apenas com seus instrumentos, suas vestes e sua voz, para contar e cantar histórias para platéias, nas praças. Mishalsky chama o grupo de 
"Os Novos Menestréis", título que acompanharia Oswaldo por muito tempo.

Em 1975, assinou seu 1º contrato com uma gravadora - a Som Livre - lançando seu primeiro compacto, Sem Mandamentos.

Em 1976, a convite de Hermínio Belo de Carvalho, Oswaldo fez, ao lado de Marlui Miranda e Vital Lima, o 1º show de artistas desconhecidos da série Seis e Meia, no Rio de Janeiro. Volta, então, a morar no Rio, onde continua a fazer shows quase que ininterruptos. Ainda encantado com o teatro, continua a escrever espetáculos musicais, paralelamente aos shows, passando agora a dirigi-los.

Em 1977, lançou seu primeiro LP, Trilhas, independente, a convite e produzido por Frank Justo Acker.

No ano seguinte, foi convidado a gravar pela WEA seu 1º LP por uma gravadora - Poeta Maldito, Moleque Vadio.

Em 1979, estourou no festival da extinta TV Tupi, com a música Bandolins, em 3º lugar. No ano seguinte, ganhou o 1º lugar no Festival da Globo MPB-80 com Agonia, de Mongol. A partir daí, faz excursões nacionais, toca em grandes teatros, entra na mídia. O patamar de Oswaldo muda. Ainda em 80, lança seu 2º disco pela WEA - Oswaldo Montenegro, alcançando, com este, seu primeiro Disco de Ouro.

"Minhas canções favoritas deste disco são Bandolins e Por Brilho; essa a que eu mais gosto de todas as minhas músicas. Compus Por Brilho no dia em que eu me separei da Madá. Tínhamos 20 anos, nos separamos e nos tornamos grandes amigos; isso já faz mais de 20 anos.

BOM DIA !!!

Escute a música em https://www.letras.mus.br/oswaldo-montenegro/47875/#radio:oswaldo-montenegro

Ela valsando, só na madrugada, se julgando amada ao som dos bandolins...

Como fosse um par que
Nessa valsa triste
Se desenvolvesse
Ao som dos bandolins

E como não,
E por que não dizer
Que o mundo respirava mais
Se ela apertava assim?
Seu colo como
Se não fosse um tempo
Em que já fosse impróprio
Se dançar assim

Ela teimou e enfrentou
O mundo
Se rodopiando ao som
Dos bandolins

Como fosse um lar
Seu corpo a valsa triste
Iluminava e a noite
Caminhava assim

E como um par
O vento e a madrugada
Iluminavam a fada
Do meu botequim

Valsando como valsa
Uma criança
Que entra na roda
A noite tá no fim

Ela valsando
Só na madrugada
Se julgando amada
Ao som dos bandolins...


Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

terça-feira, 14 de março de 2017

[CAMPEONATO AMAZONENSE 2017] - Fast Clube/AM e Penarol/AM abrem a competição

Teófilo Benarrós de Mesquita
Publicado simultaneamente com o Site
http://www.qualaboa.net.br
Foto: Antonio Assis/Site Oficial da FAF
http://fafamazonas.com.br

Manaus/AM - O Campeonato Amazonense 2017 vai começar, na noite desta terça-feira (14/03), no Estádio Municipal Jornalista Carlos Zamith, bairro do Coroado, zona Leste de Manaus/AM. Atual Campeão Amazonense, o Fast Clube/AM recebe o Penarol/AM, Vice-Campeão da Segunda Divisão, e que volta à Elite do futebol local, após breve afastamento dos gramados. No sábado (18/03), três jogos completam a Primeira Rodada da Primeira Fase.

Licenciado em 2016, o Penarol/AM voltou este ano ao futebol e conquistou o Acesso na recem encerrada Segunda Divisão, quando abriu mão da disputa do título contra o Holanda/AM, em razão do falecimento do presidente Leão Braúna. O time manteve a base e contratou o artilheiro da Série B Amazonense, o atacante Ronni, ex-Holanda/AM. O lateral-esquerdo Rafael Vieira volta ao time. Do Clube do Remo/PA chegou o meia Edicléber. E de Pernambuco vieram o meia Cleiton (Serra Talhada/PE) e o lateral-direito Jamesson (Afogados/PE).

O Fast Clube/AM conquistou, na última quinta-feira (09/03) o tradicional Torneio Início. Além do atacante Charles, artilheiro do Campeonato em 2015 e que reestreou pelo Tricolor de Aço no Torneio Início, também chegaram o meia Rodrigo, o atacante Léo Guerreiro e o lateral-direito Yago. Léo Guerreiro e Yago ainda dependem de regularização junto à CBF para adquirirem condições de jogo.

Na partida desta terça-feira (14/03), a arbitragem será de Reginaldo Vasconcelos Noronha, com Anne Kesy Gomes de Sá e Uescléi Regison Pereira dos Santos, com Odson Santos da Silva atuando como quarto árbitro. A rodada terá três jogos complementares no sábado (18/03): Princesa do Solimões/AM - Holanda/AM, em Manacapuru/AM; Rio Negro/AM - São Raimundo/AM, na Colina, em Manaus/AM; e Nacional/AM - Manaus/FC, no Carlos Zamith, à noite.

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[BOM DIA MUSICAL] - Sou Boy, com Magazine (Kid Vinil)

Texto e Foto: Site Oficial Kid Vinil
http://www.kidvinil.com.br

Manaus/AM - Kid Vinil, nome artístico de Antônio Carlos Senefonte (Cedral/SP, 10 de março de 1955), destacou-se no cenário musical do rock brasileiro dos anos 80, com o grupo Magazine. Cantor, Radialista, Compositor e Jornalista, foi vocalista do Verminose, Magazine, Kid Vinil e os Heróis do Brasil, Kid Vinil Xperience. Atualmente retoma as atividades de radialista com um programa semanal na Rádio Rock 89FM, de São Paulo/SP) às quintas-feiras às 23h:59min, e na Web Rádio Brasil 2000. E mais, a Banda Magazine está novamente à ativa com seus integrantes originais (Lu Stopa - baixo, Trinkão Watts- bateria, e Ted Gás - guitarra), com Kid Vinil no vocal.

O Blog do Teófilo homenageia Kid Vinil nesta terça-feira (14/03), que na última sexta-feira (10/03) completou 62 anos de idade.

BOM DIA A TODOS E A TODAS !!!

Escute a música em: https://www.letras.mus.br/kid-vinil/887457/

Ônibus lotado e cai da mala a minha marmita

Acordo sete horas
Tomo ônibus lotado
Entro oito e meia
Eu chego sempre atrasado
Sou boy, eu sou boy
Sou boy, boy, sou boy...

Atento oito e meia
Eu tenho que bater cartão
Mal piso na firma
Tem serviço de montão
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy...

Ando pela rua
Pago conta, pego fila
Vou tirar xerox
E batalho alguma fila
Sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy...

Na hora do almoço
A minha fome é de leão
Abro a marmita
E o que vem, feijão!...

Chega o fim do mês
Com toda aquela euforia
Todos ganham bem
Eu aquela mixaria
Sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy...

E logo chega a tarde
Estou com pressa
De ir embora
Meus pés estão doendo
E meus calos tão prá fora
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy...

Bate cinco e meia
Acerto em filas infinitas
Ônibus lotado
E cai da mala
A minha marmita
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, boy
Eu sou boy...

Na hora do almoço
A minha fome é de leão
Abro a marmita
E o que vem, feijão!...

Chega o fim do mês
Com toda aquela euforia
Todos ganham bem
Eu aquela mixaria...

Sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy
Eu sou boy, eu sou boy...


Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

segunda-feira, 13 de março de 2017

[WRESTLING] - Amazonas domina o Campeonato Brasileiro e conquista 13 Medalhas

Da Assessoria de Comunicação da Sejel
Foto: Divulgação

Manaus/AM - O Amazonas continua sendo destaque na luta de chão. Desta vez a Seleção Amazonense de Wrestling manteve a hegemonia nas principais categorias do Campeonato Brasileiro Sênior da modalidade. Pelo segundo ano consecutivo, o grupo formado por 13 atletas voltou com a bagagem mais pesada por conta das 13 medalhas obtidas na competição e os troféus de terceiro lugar por equipes na luta Feminina e de Campeão por equipes no estilo livre Masculino. O Brasileiro foi realizado neste último final de semana, no Rio de Janeiro/RJ.

Com o apoio do Governo do Amazonas por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), os atletas arregimentaram cinco medalhas de Ouro, duas de Prata e seis de Bronze. A conquista vinda sob os incansáveis treinos diários realizados na Vila Olímpica de Manaus/AM, sob supervisão dos treinadores Valdeci Silva e do cubano Dagoberto Arbolaez, motiva ainda mais o grupo.

“É o segundo ano firmando o favoritismo da Seleção em competições nacionais. Agora temos que continuar trabalhando mais forte ainda. Com certeza essa Seleção que está aí vai continuar ganhando por um bom tempo, mas não podemos parar. Temos que nos focar e trabalhar a renovação. O tempo passa para todo mundo e não podemos ficar para trás”, explicou o treinador e presidente da Federação Amazonense de Luta Livre Esportiva e Olímpica (Falle), Valdeci Silva, feliz com a excelente fase da modalidade. “É o melhor momento do Amazonas em todos os tempos. Ser Campeão Brasileiro por equipes, em 2016 e 2017, e deixar Rio de Janeiro e São Paulo para trás mostra que passamos de coadjuvante para atores principais da festa”, comemorou.

A conquista amazonense na luta mais antiga da história do esporte veio com um verdadeiro show de qualidade técnica. Os atletas conseguiram elevar o nível nos confrontos e os estreantes mostraram um bom crescimento no rendimento. “Em algumas categorias estamos sendo superiores. Nossas duas meninas que foram Campeãs, a Andria (58 quilos) e a Brenda (60 quilos), mostraram um nível técnico acima da média no Brasil. Algumas categorias no masculino também. Nossa Seleção é um pouco jovem ainda, alguns que foram Vice-Campeões, no caso o Daniel, faltou um pouco mais de experiência. Ele é um garoto novo com 19 anos e ano que vem vai estar lutando na categoria sênior, e breve vamos conseguir mais medalhas de Ouro”, contou.

Com a hegemonia mantida, agora os treinamentos se voltam para as competições locais e o Pan-Americano Sênior, em São José/SC, no mês de maio. A meta da Falle é colocar um atleta do Amazonas nas Olimpíadas. “Vamos focar no Campeonato Amazonense para formar a Seleção Cadete e Juniores e vamos focar no treinamento do pessoal para o Pan-Americano. Vamos continuar trabalhando forte para os Jogos Sul-Americanos e a Olimpíada de Tóquio. Temos muita chance de colocar o Amazonas nos jogos Olímpicos”, destacou Valdeci.

Os atletas voltam a treinar na manhã desta terça-feira (14/03), a partir das 11 horas, na área de lutas da Vila Olímpica de Manaus/AM.

RESULTADO FEMININO

Categoria até 48 quilos
1º lugar – Caroline Soares/RJ
2º lugar – Susana Santos/RJ
3º lugar – Rita Reis/AM

Categoria até 58 quilos
1º lugar – Brenda Palheta/AM
2º lugar – Taciane Santos/RJ
3º lugar – Fabiana Alcântara/RJ

Categoria até 60 quilos
1º lugar – Andria Souza/AM
2º lugar – Cinara Rodrigues/RJ
3º lugar – Karoline Santana/SP

RESULTADO MASCULINO

Categoria até 57 quilos
1º lugar – Wellington Silva/RJ
2º lugar – Daniel Nascimento/AM
3º lugar – Sargis Khachatryan/SP
3º lugar – Eric Jesus/BA

Categoria até 61 quilos
1º lugar – David Moreira/AM
2º lugar – Peterson Coelho/PA
3º lugar – Pedro Henrique Santos/RJ

Categoria até 70 quilos
1º lugar – Lincoln Messias/CE
2º lugar – William Naim/SP
3º lugar – Tasso Alves/AM
3º lugar – Lucas Machado/AM


Categoria até 74 quilos
1º lugar – Matheus Frota/AM
2º lugar – Mateus Santos/TO
3º lugar – Pablo Renan/RN
3º lugar – Felipe Santana/AM

Categoria até 86 quilos
1º lugar – Alireza Noei/SP
2º lugar – Pedro Rocha/RJ
3º lugar – Walter Júnior/AM

Categoria até 97 quilos
1º lugar – Felipe Oliveira/SP
2º lugar – Cassio Barbosa/PE
3º lugar – Fabio Flores/RS
3º lugar – Fábio Júnior/AM

Categoria até 125 quilos
1º lugar – Jhonatan Lopes/RS
2º lugar – Paulo Victor/AM
3º lugar – Isaque Conserva/PB

ESTILO GRECO-ROMANO

Categoria até 71 quilos
1º lugar – Kenedy Pedrosa/AM
2º lugar – André Feitosa/RJ
3º lugar – Jaermerson Oliveira/PB

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[BOM DIA MUSICAL] - Casanova, com Ritchie

Teófilo Benarrós de Mesquita
Foto: Divulgação

Manaus/AM - Com uma semana de atraso, o Blog do Teófilo homenageia o Cantor e Compositor Ritchie, que na última segunda-feira (06/03), completou 65 anos de Vida.

De acordo com o Site Wikipedia, "Richard David Court nasceu no dia 6 de março de 1952, em Beckenham, Condado de Kent, sul da Inglaterra. Filho de pai militar, morou em vários países, como Quênia, Dinamarca, Itália, Alemanha, Iêmen do Sul e Escócia.

Embrenhou-se na música cantando no coral de uma igreja na Alemanha. Foi interno na Tormore School e Sherborne School para, alguns anos depois, ingressar no curso de literatura inglesa na Universidade de Oxford. Com 20 anos, abandonou os estudos para tocar flauta na banda londrina Everyone Involved, com quem gravou o LP-protesto Either/Or junto com outras bandas que contestavam a construção de um viaduto sobre Picadilly Circus, em West End. O LP foi distribuído gratuitamente. Durante as gravações desse disco, Ritchie foi apresentado a um grupo de brasileiros pelo guitarrista Mike Klein. Entre eles estavam Lucinha Turnbull, Rita Lee e Liminha, estes dois últimos dos Mutantes, em visita à capital inglesa para comprar instrumentos. Ficaram amigos e o convite para conhecer o Brasil foi feito.

No final de 1972, Ritchie desembarcou em São Paulo, onde formou a banda Scaladácida com o baterista Azael Rodrigues, o guitarrista Fabio Gasparini e o baixista Sérgio Kaffa. O grupo fez vários shows na cidade e foi sondado pela gravadora Continental. Mas Ritchie ainda não tinha o visto de permanência e o contrato não foi assinado. Scaladácida terminou suas atividades no final de 1973 e Ritchie se mudou para o Rio de Janeiro com sua esposa, a arquiteta e estilista Leda Zuccarelli com quem é casado até hoje".

Em 1975 passou a compor a Banda Vímana, que tinha entre seus integrantes, Lobão e Lulu Santos. Em 1977 lançou seu primeiro trabalho no Brasil e em 1980 voltou para Londres. Entretanto, desembarcou de novo no Brasil em 1982 e no ano seguinte consagrou-se como um Fenômeno da Música Brasileira, com sua Menina Veneno. Emplacou sucessos seguidos, inclusive em aberturas de Novelas da TV Globo. E o Bom Dia Musical desta segunda-feira (13/03) relembra Casanova, de 1983, abertura de Champagne.

BOM DIA E BOA SEMANA
A TODOS E A TODAS !!!

Escute a música em: https://www.youtube.com/watch?v=ZwhwYiza2Kg/

A vida é arte do saber... Quem quiser saber tem que viver

Boa noite Rainha, como vai?
Sou o seu coringa, o seu ás
Luvas de couro
Meias de seda brilham ao luar
Eu fico mesmo de smoking
Vamos dançar!

Boa noite, como vai?
Como vai?

No meio da noite você chama
Eu venho como fogo incendiar sua cama
Não se afogue em meus beijos
Não se afobe
Eu venho devagar
E amanhã, eu prometo, eu vou voltar

Boa noite, meu amor!

A vida é arte do saber
Quem quiser saber tem que viver
Trago um mundo novo prá você
E daí, tudo bem? E você?
Como vai? Eh, como vai?

Os aventureiros entram em cena
Voando bem alto ao som do planeta
Cavalos alados e seus cavaleiros brincam ao luar
Tomando de assalto o dia que vai chegar

Boa noite, até já!
Ah,até já!...


Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

domingo, 12 de março de 2017

[BOM DIA MUSICAL] - Cavaleiro Andante, com Gabriel O Pensador

Teófilo Benarrós de Mesquita
Foto: Divulgação

Manaus/AM - No último dia 4 de março ele completou 44 anos. Carioca do tradicional bairro de Vila Isabel, foi o primeiro artista brasileiro a tornar o rap e o hip hop marcas registradas de sua carreira. O dia 5 de setembro de 1992 tornou-se inesquecível para Gabriel Contino, pois após enviar uma fita demo para a extinta Rádio RPC FM, Tô Feliz (Matei o Presidente) foi executada pela primeira vez, tornado-se imediatamente sucesso. Numa sucessão de fatos interessantes, cinco dias depois o Ministério da Justiça censurou a execução da música e 24 dias depois (24/09/1992), por 441 a 38 votos, a Câmara Federal votou pela aceitação do processo de Impeachment do presidente Fernando Collor de Melo, que foi afastado do cargo. Ainda por cima, Belisa Ribeiro, mãe de Gabriel Contino, ou Gabriel, O Pensador, foi Assessora na campanha presidencial de Collor, em 1989, aumentando mais o espanto com a coragem e irreverência de Gabriel. Ali, foi dado o pontapé inicial de uma carreira artística que tem se mostrado vitoriosa e a cada ano mais madura, inclusive com livros lançados. Neste domingo (12/03), mesmo com um certo atraso, o Blog do Teófilo saúda Gabriel em seu Bom Dia Musical, com a música Cavaleiro Andante.

UM BOM DOMINGO A TODOS E A TODAS !!!

Escute a música em: https://www.cifraclub.com.br/gabriel-pensador/261756/letra/

No meio do caminho pode ter uma pedra, mas no meio dessa pedra pode ter um caminho... A pedra no caminho pode ser um diamante

(...)

Sempre tô de pé, pro que der e vier, vou do jeito que der [...] Aprendi bastante, que a cabeça não é só pra segurar o boné

Não me arrependo nem do que eu não fiz
não vou na onda desses imbecis
não tô na boca nem tô no nariz
quem fala muito não sabe o que diz

No meio do caminho pode ter uma pedra
Mas no meio dessa pedra pode ter um caminho
A pedra no caminho pode ser um diamante
Pode ser que ela me atrase, pode que eu me adiante
Toda pedra pode ser um diamante
Todo dia pode ser um grande dia
Toda noite pode ser aquela noite
Aquela noite não foi mas também podia
Aprendi na poesia anestesiante
E na porrada sagrada de cada dia
Que a gente pode e deve ser confiante
Mas não pode dar mole nem quando a gente confia

Não me arrependo nem do que eu não fiz
não vou na onda desses imbecis
não tô na boca nem tô no nariz
quem fala muito não sabe o que diz

Esqueceram um zero na minha conta
Se der mole, vagabundo monta, o esquema é uma cama de gato
Mas não vão me derrubar, não sou eu quem vai pagar o pato
Não sou queijo pra engordar o rato
Não fico de bobeira cafungando nessa ratoeira
Quero ver quem vai dizer quem é ingrato
Tô na dividida mas não entro de primeira
Levei uma rasteira de quem sempre tabelou comigo
Antes só do que andar com esse tipo de amigo
Malandro é malandro, mané é mané
Mas quem faz pose de malandro é porque não é

Não me arrependo nem do que eu não fiz
não vou na onda desses imbecis
não tô na boca nem tô no nariz
quem fala muito não sabe o que diz

Cavaleiro Andante! Sempre tô de pé
Pro que der e vier, vou do jeito que der
Cavaleiro Andante! Aprendi bastante
Que a cabeça não é só pra segurar o boné
Cavaleiro Andante! Sempre tô de pé
Pro que der e vier, vou do jeito que der

Sei que a pedra no caminho pode ser um diamante
Nem sempre o que parece é, sei que a corda arrebenta no lado mais fraco
Sei que a vida é uma sinuca, mas confio no meu taco
Confio no meu taco, se liga, pela-saco
Na mesa é na caçapa mas no campo é no buraco
Ouvi dizer que se ficar o bicho come, se correr o bicho pega,
Mas a regra vai mudar
Se eu ficar o bicho some, se eu correr o bicho arrega
Se eu quiser pegar o bicho ele se entrega, se eu pedir o bicho dá
Se eu quiser que o bicho pegue aí o bicho vai pegar
A cobra vai fumar, o coro vai comer
O coro tá comendo então vai vendo, pode ver
Eu já cantei a pedra pra você

Não me arrependo nem do que eu não fiz
não vou na onda desses imbecis
não tô na boca nem tô no nariz
quem fala muito não sabe o que diz

Fui Pixote, sei andar na escuridão
Enfrentar moinho, derrubar dragão
Cavaleiro Andante, sei andar sozinho
Dom Quixote não tem medo de alucinação
Desde o saco do meu pai tô na batalha
Não nasci pra ser esparro de canalha!


Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[COTIDIANO] - Amizade se explica? Amizade envelhece? Amizade é assim: inexplicável e para sempre.

Teófilo Benarrós de Mesquita
Fotos: Grupo Etfa 86/Facebook

Manaus/AM - Alguns ingressaram em 1982, na Sétima Série. Outros, no ano seguinte, já na Oitava Série, a última escala do Primeiro Grau, atual Ensino Fundamental, via Mini-Vestibular, nomenclatura usada na época.

Teve também os que entraram no 1º Ano do Ensino Médio, que na verdade chamava-se Segundo Grau.

Egressos do Benjamin Constant, único outro estabelecimento de ensino de Manaus/AM que oferecia o Curso Técnico de Edificações, uma turma chegou já no 2º ano, em 1984.

Também tem os que ficaram pelo caminho, trocando de curso, de escola ou até mesmo de prioridade.

Dois ou três não completaram qualquer curso, pois a vida lhes foi ceifada prematuramente.

Era um turbilhão de ideias, de características, de temperamentos, de personalidades, de atitudes, de emoções, de sentimentos... Tudo muito próprio da pré-adolescência/adolescência. Os mais novos, contavam com 12 ou 13 anos; os mais experientes, 16 ou 17 anos.

Tinha os descolados e as descoladas. Também, os tímidos e as tímidas. As vanguardistas (prafrentex) e as recatadas. Os capetas (sim, no plural) e os introspectivos. Os CDFs e os escorões (raríssimos). Uma pluralidade harmoniosa.

Tinha treta. Tinha festa. Tinha folia. Tinham namoricos (um pouco além do pegar na mão). Tinha rolo. Tinha azaração. Tinha amor platônico. Tinha paixão recolhida. Tinha cola (que ninguém com 13/14/15/16 anos é santo ou santa...). Tinha bagunça. Tinha advertência. Tinha suspensão. Tinha reprovação (ou como se dizia, repetição de ano).

Mas também tinha responsabilidade. A maioria era engajada. Havia os que se dedicavam ao Grêmio Estudantil. Alguns optaram pelo Atletismo. Não faltavam craques no Futebol, de Campo e de Salão (que depois virou Futsal). O Basquete também estava representado. Igualmente o Voleibol, a Natação, o Handebol, o Judô e a Ginástica Olímpica. Sem falar na GRD (Ginástica Rítmica Desportiva), só para belas!

Aliás, naquela época, início até meados dos Anos 80, os Jogos Estudantis bombavam. Percorríamos os principais locais de jogos e provas à pé, saindo da Sete de Setembro até a Epaminondas, onde você podia escolher entre os eventos no Ginásio Arystóphano Antony, do Rio Negro/AM, no Campo General Severiano, do Colégio Militar de Manaus/AM, ou nas piscinas do Colégio Dom Bosco. No meio do caminho, as Quadras ou Ginásios dos colégios de Freira - Auxiliadora, Dorotéia e Santa Terezinha.

Por falar em Santa Terezinha, havia uma digamos assim, tradição. A meninada ficava azarando as noviças de farda azul, torcendo para que elas atravessassem a rua. Uma coisa é certa: as mais bonitas, de fato, atravessaram, trocando o Santa Terezinha pela Escola Técnica Federal do Amazonas. E foram se juntar às belas que vinha de todo lugar: Cachoeirinha, São Raimundo, Glória, Educandos, Centro, Praça 14 de Janeiro, Japiim, Coroado, Petrópolis, Santa Luzia, São Francisco, Dom Pedro, Parque 10 de Novembro e até do bairro mais distante naquela época, a recem-inaugurada Cidade Nova.

Manaus/AM tinha pouco mais de 612 mil habitantes; atualmente tem mais que o triplo, aproximadamente 2 milhões e 100 mil moradores.

A convivência foi, em média, de 3 anos - o tempo exato do Segundo Grau. Alguns ficaram juntos cinco anos - de 1982 a 1986. Muitos seguiram juntos para a Faculdade, a maioria na Universidade do Amazonas (UA), no Curso de Engenharia Civil.

Salvo poucas exceções, cada um ou cada uma seguiu para seu lado. Como alguém já disse, no Grupo do WhatsApp: "quantas vezes já nos esbarramos por aí e nem nos demos conta que estudamos juntos, lá atrás..."

Aliás, foi o WhatsApp o principal responsável pelo fenômeno desse reencontro. Trinta e um anos depois (ou para os que começaram em 1982, 35 anos depois) os antigos adolescentes se reencontraram, primeiro virtualmente, depois presencialmente.

Esse ano já foram três Encontros: o primeiro, dia 5 de fevereiro, contou com a presença de sete etfanos/etfanas. No segundo encontro, cinco dias depois, o quórum já foi dobrado. E na última sexta-feira (10/03) o terceiro e surpreendente encontro, com 46 ex-alunos e ex-alunos, além de uma ilustre participação, diretamente de Teresópolis/RJ.

Havia no ar uma aura indescritível. As fotos comprovam. Sorrisos que não precisam de tradução ou legenda. Risadas e gargalhadas ecoavam pelo ambiente mais-que-perfeito proporcionado pela anfitriã da noite.

No cardápio, além dos Vinhos, da Cerveja, da Caipirinha e do Churrasco, muitas histórias e estórias. De sobremesa, abraços calorosos, atenção nas conversas, e aqui e ali uma lágrima emotiva.

Ninguém queria ir embora. Os que precisavam ir, lamentavam a partida e já pediam um novo Encontro.

É muito assunto para colocar em dia...

Que venha logo o próximo encontro. E com novas presenças.
Nota do Autor: Texto e fotos sujeitas a edições, conforme sugestão dos mais de 40 presentes no Encontro...

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita