sexta-feira, 7 de julho de 2017

[FUTEBOL] - Copa Leão Braúna reúne ex-atletas da Base

Da Assessoria de Comunicação da Sejel
Fotos: Anderson Silva/Sejel

Manaus/AM - Um futebol que reúne amigos e boas lembranças. Assim vai ser a 1ª Edição da Copa Leão Braúna de Ex-atletas do Futebol de Base do Amazonas. Com o apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), a competição vai contar com 12 equipes, em 71 jogos, com mais de 300 jogadores que querem levantar a taça que homenageia o ex-treinador amazonense, falecido no início do ano.

Marcada para iniciar dia 29 de julho, o certame organizado pela Liga Regional da Amazônia (Lirdam) atraiu equipes tradicionais do futebol local como: São Raimundo/AM, Nacional/AM, Sul América/AM, América/AM, Fast Clube/AM, Tarumã/AM, Cliper/AM, Libermorro/AM, Rio Negro/AM e Cepe/AM e os emergentes Grêmio Iranduba/AM e Comercial/AM. Nos moldes de uma competição oficial, a Temporada ainda vai contar com o Torneio Início, no dia 23 de julho, no Estádio Ismael Benigno, a Colina, localizado no bairro São Raimundo.

“É uma grande honra resgatar todos os atletas do passado que jogaram os campeonatos de base promovidos pela FAF (Federação Amazonense de Futebol). Só vão participar os ex-jogadores com idade a partir de 27 anos. Será um reencontro, tem uns que não se veem há bastante tempo e vai ser uma grande festa. O objetivo é confraternizar e homenagear esse grande trabalhador do futebol de Base do Amazonas que foi o treinador Leão Braúna”, afirmou o presidente da Lirdam, Junior Mendes.

Eufórico com o reencontro dos amigos do futebol do Amazonas, o ex-meia-atacante do São Raimundo/AM nos tempos áureos da Segunda Divisão (Série B), Antônio Alex, conhecido como Jogador, desta vez estará vestindo a camisa do Rio Negro/AM na competição. “O bom de tudo isso é rever os amigos, que na maioria das vezes passávamos o tempo juntos, até mais que do que na nossa própria casa. Encontrar o pessoal que há mais de sete anos não vejo vai ser muito bacana. Vai ter muita resenha (risos)”, comentou Alex, lembrando da importância dos trabalhos realizados pelo ex-treinador Leão Braúna. “Sempre converso com os amigos que só deixamos para homenagear as pessoas depois que partem, e esquecemos de homenagear às pessoas em vida. Infelizmente ele partiu e essa Copa, essa homenagem, é mais que merecida”, pontuou Alex, que já fez parte da Seleção Brasileira Sub-15.

Sempre lembrado com carinho pelo torcedor amazonense, o Libermorro/AM vai voltar a ostentar a bela camisa verde e branca pelos gramados da capital. Afastado há mais de uma década do futebol profissional, o Tigrão vai descer o Morro da Liberdade para entrar com raça na competição, pensando até num breve retorno para o futebol profissional.

“Vamos representar o Libermorro/AM da melhor maneira possível. Vamos tentar o melhor de nós para que façamos o melhor Campeonato. Queremos ressuscitar o nosso passado, o do futebol, que sempre era difícil. Antes tínhamos só o Vivaldão e agora temos vários Estádios. Vamos relembrar os bons momentos do passado com os amigos, onde naquele tempo foi muito bom para o futebol. Estamos voltando e estamos com um projeto para voltar a jogar o profissional e queremos voltar em grande estilo”, comentou o responsável pelo clube na competição e ex-jogador, Amarildo Pinto, que defendeu o clube na década de 90, antes da passagem pelo futebol europeu.

Com a dor ainda recente pela perda do pai, Vanusa Braúna, 39 anos, não esquece dos carinhos do seu herói um só minuto. Com a voz embargada de emoção, a primogênita de Leão Braúna agradece aos organizadores por deixar eternizado o nome de quem fez tanto pelo esporte local. “Meu coração já estava bem mais calmo, mas sei que essa competição é importante. E para mim, meu pai lutou até o último momento pelo futebol amazonense. Para ele, viver sem o futebol não tinha sentido. São quatro meses que ele se foi, e para mim meu pai era tudo. O futebol foi a vida dele”, disse Vanusa.
Conhecido por incentivar o futebol de Base do Estado, Leão Braúna iniciou a carreira na Base do Holanda/AM no início da década de 1990, onde foi um dos fundadores do clube. O esforço e a dedicação foi logo reconhecido pelo responsável da base do Nacional/AM à época, Carlos Prata. Com o manto azulino, Leão fez uma das maiores descobertas ao lançar o jogador França, que mais tarde brilharia com a camisa do São Paulo/SP. “Conheci o Leão em um jogo no Vivaldão no início dos anos 90 em que ganhamos por 7-0, pelo Juvenil. Vi que ele era um cara esforçado, estava conduzindo o Holanda/AM sozinho e chamei ele para o Nacional/AM. Na época eu estava treinando o Juvenil e Juniores e precisava de alguém para ajudar. Com a competência que ele tinha acabou se tornado treinador do Juvenil, ganhou vários títulos e descobriu o França e vários jogadores. Muito feliz por essa Copa homenagear o Leão”, comentou Prata, que fez parte da comissão técnica do Holanda/AM na conquista da Série B de 2016 à convite do próprio Leão. “A gente estava vivendo um momento de felicidade no Holanda/AM, tínhamos acabado de subir para a Série A. Ele era um treinador humilde. Ele se importava mais com o clube do que com ele mesmo”, lamentou Prata.

Braúna ainda teve passagens vitoriosas com o Fast Clube/AM e Sul América/AM, onde também ajudou a coordenar o futebol profissional do Trem da Colina. Nos últimos anos, Leão deixou de gerenciar as equipes dentro das quatro linhas para se tornar Dirigente. Em 2015, com a renúncia do atual presidente Paulo Radin, Leão foi aclamado presidente e estava no cargo até o dia 27 de janeiro deste ano, quando foi encontrado morto na casa dele, na Zona Norte da capital, vítima de infarto.

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

quinta-feira, 6 de julho de 2017

[CAMPEONATO BRASILEIRO FEMININO 2017] - Iranduba/AM tem duplo desafio em Santos/SP, ainda invicto na Vila Belmiro

Teófilo Benarrós de Mesquita
Foto: Bruno Kelly/ALLSPORTS
Publicado Simultaneamente com o Site qualaboa.net.br

Manaus/AM - Sensação do futebol nacional feminino, o Iranduba/AM enfrenta o maior desafio de sua breve história. Semifinalista do Campeonato Brasileiro Feminino, o Hulk da Amazônia fará o Jogo de Volta, contra o Santos/SP, neste sábado (08/07), na Vila Belmiro, precisando reverter o resultado adverso para chegar a uma inédita Decisão. No último dia 21 de junho, mesmo com apoio maciço da torcida amazonense, o Iranduba/AM foi derrotado pelas Sereias da Vila, por 1-2, na Arena Vivaldo Lima.

O resultado desfavorável obriga o representante amazonense a vencer com saldo suficiente, a partir de dois gols. A vitória simples, por 1-0, classifica o Santos/SP para a Decisão. Vitória do Hulk por 2-1 leva a disputa para os pênaltis. Qualquer vitória amazonense por apenas um gol de diferença, a partir do placar de 3-2, habilita o Iranduba/AM para a Grande Final, contra o vencedor de Corinthians/SP - Rio Preto/SP - no primeiro jogo, em São José do Rio Preto/SP, vitória do Rio Preto/SP, por 2-1. O Santos/SP passa para a Decisão em caso de vitória ou empate.

Os dois times tem campanhas aproximadas. O Iranduba/AM se classificou para a Segunda Fase como segundo colocado do Grupo A1, com 12 vitórias e 2 derrotas, marcando 21 gols e sofrendo 10, enquanto o Santos/SP foi o primeiro do Grupo A2, com 11 vitórias, 1 empate e 2 derrotas, marcando 28 gols e sofrendo 10. Na Segunda Fase, o Iranduba/AM eliminou o Flamengo/RJ com dois empates, 2-2 no Rio de Janeiro/RJ e 1-1 na Arena Vivaldo Lima/AM. O Santos/SP despachou o Audax/SP, vencendo por 3-0 em Barueri/SP e empatando em 0-0 na Vila Belmiro.

Esse empate foi, inclusive, o único jogo que as Sereias da Vila não venceram em casa. Na Primeira Fase, em 7 jogos foram 7 vitórias, com 18 gols marcados e apenas 4 gols sofridos, aumentando ainda mais a dificuldade das Meninas do Iranduba/AM. Jogando fora de casa, o time amazonense venceu 7 jogos, empatou um e perdeu um, marcando 19 gols e sofrendo 7.

A partida será disputada no Estádio Urbano Caldeira, a Vila Belmiro, em Santos/SP, neste sábado (08/07), a partir das 20 horas (de Manaus/AM), com transmissão para todo o Brasil, pelo Canal SporTV.

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[BOM DIA MUSICAL] - Ao Que Vai Chegar, com Toquinho

Teófilo Benarrós de Mesquita
Foto: Divulgação

Manaus/AM - Antonio Pecci Filho, filho de Antônio Pecci e de Diva Bondeolli Pecci, descendentes de italianos, nasceu em São Paulo/SP, em 6 de julho de 1946 e está completando, nesta quinta-feira (06/07), 71 anos de Vida. É um dos maiores Violonista brasileiro, além de Compositor e Cantor. Com mais de 50 anos de carreira, teve no Mestre Vinícius de Moraes seu maior parceiro musical. O apelido de infância vingou como nome artístico. Sua Mãe, carinhosamente, o chamava de "meu toquinho de gente".

Em 1969, com 23 anos, Toquinho passou uma breve temporada (sete meses) na Itália, com Chico Buarque, participando da gravação de um Disco em Homenagem a Vinícius de Morais, que ficou admirado com o talento de Toquinho ao violão, convidando-o para acompanhá-lo numa temporada na Argentina. Foi o começo de uma grande parceria e amizade.

O 101º Bom Dia Musical do Blog do Teófilo homenageia Toquinho, com o desafio de escolher em sua vasta obra musical apenas UMA música. A escolhida foi Ao Que Vai Chegar, de 1984, tema de abertura da novela Livre Para Voar, da Rede Globo.

E de onde se planta a paz, da paz quero a raiz. E uma casinha lá onde mora o sol poente, pra finalmente a gente simplesmente ser feliz

Copie esse link para escutar a Música https://www.letras.mus.br/toquinho/49094/

Voa, coração
A minha força te conduz
Que o sol de um novo amor em breve vai brilhar
Vara a escuridão, vai onde a noite esconde a luz
Clareia seu caminho e acende seu olhar
Vai onde a aurora mora e acorda um lindo dia
Colhe a mais bela flor que alguém já viu nascer
E não esqueça de trazer força e magia,
O sonho e a fantasia, e a alegria de viver

Voa, coração
Que ele não deve demorar
E tanta coisa a mais quero lhe oferecer
O brilho da paixão, pede a uma estrela pra emprestar
E traga junto a fé num novo amanhecer
Convida as luas cheia, minguante e crescente
E de onde se planta a paz,
Da paz quero a raiz
E uma casinha lá onde mora o sol poente
Pra finalmente a gente simplesmente ser feliz


Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

terça-feira, 4 de julho de 2017

[NATAÇÃO] - Vitor Gadelha entra para a História vencendo Maratona Del Golfo Capri-Napoli

Da Assessoria de Comunicação da Sejel
Fotos: Anna Gadelha


Manaus/AM - Guerreiro. Essa é palavra que melhor define o nadador Vitor Gadelha, que foi o único brasileiro a disputar a importante Maratona Del Golfo Capri-Napoli, na Itália. Pela colocação, o amazonense conquistou o primeiro lugar individual e terceiro geral, ao enfrentar 36 quilômetros de prova, em 11 horas. O percurso foi realizado no Mar Tirreno (parte do mar Mediterrâneo), com largada da Ilha de Capri e término em Nápoles. Para a competição, o atleta recebeu apoio do Governo do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

“A prova foi bem difícil, a própria organização assumiu a responsabilidade da dificuldade. Pegamos uma corrente variável, sendo um tempo a favor; contra bastante tempo, entrou um vento que ninguém esperava, que foi um lateral e que dificultou bastante a prova. Eu estou muito feliz, cada momento valeu a pena, tanto do treinamento, quanto da prova. Fui o primeiro amazonense a fazer uma Ultramaratona Aquática Internacional e poder fazer isso é uma honra, pois elevo o Estado a este nível. Sei que não estava sozinho e estou super feliz. Agradeço todo o apoio”, destacou o amazonense, que foi convidado a participar da Maratona na Itália após o bom rendimento na Travessia Do Leme ao Pontal, em 2016, quando completou 35 quilômetros em 8 horas e 43 minutos.

Vitor largou às 9 horas da manhã da Itália e terminou a prova às 20 horas. Durante o percurso, uma equipe técnica o acompanhava de uma embarcação, entre eles estava o técnico Samir Barel e a madrinha dele, Anna Gadelha, que atualmente mora em São Paulo/SP. Durante a prova, o nadador ficou sem acompanhamento por pelo menos quatro vezes, quando o barco necessitou de reposição de combustível. Mesmo assim, ao ser assistido, ele teve acesso a água mineral e, nesses momentos, conseguia ser aconselhado por seu técnico.
“Vitor seguiu firme, a gente sabia que daria tempo. O vento estava muito forte, correnteza, ele pegou muitas adversidades que as águas abertas oferecem e o Vitor se superando. Ele seguiu firme”, disse o técnico Samir, considerado uma referência quando o assunto é Maratona Aquática. Ele é dono da Tríplice Coroa das Águas Abertas, honraria inédita para o Brasil na história do esporte, concedida aos nadadores que completam as três travessias mais difíceis do mundo: Volta à Ilha de Manhattan (45 quilômetros), vencida em 2014, o emblemático Desafio do Canal da Mancha, entre a Inglaterra e a França (36 quilômetros), realizado em 2015, e a Travessia do Canal da Catalina, percurso desafiador de 34 quilômetros na Costa Oeste dos Estados Unidos.

Com 21 atletas de sete países concorrentes, Vitor foi o único brasileiro a disputar este ano a Maratona e o primeiro amazonense a subir no Pódio pelo desafio. Vale ressaltar, que no final da competição, o locutor do evento destacou que o percurso estava sendo desumano – por conta das condições climáticas – e lembrou que o amazonense é novo (20 anos) e que ainda terá muitos destaques na Natação. Para o pai coruja, Pierre Gadelha, toda a expectativa e ansiedade, se resumiu em orgulho.
“Hoje foi um dos dias mais especiais da minha vida, não somente pelo Vitor estar disputando uma prova internacional, mas sim pela dificuldade que a prova se tornou. Era uma prova que ele estava preparado para fazer em oito horas, mas águas abertas tem muitas variações e a natureza quis dificultar mais um pouquinho, mas ele provou ser muito guerreiro. Ele finalizou a prova em onze horas, mostrando que quando você quer, você pode. Ele batalhou muito por isso, foram seis meses de dedicação intensa, e uma felicidade grande. Eu como pai estou pra lá de orgulhoso, pois foi uma vitória ele chegar na raça e graças a Deus ele conseguiu. Sou um apaixonado pelas águas abertas, pela Natação, e é ótimo ver meu filho escrever seu nome na história do esporte. Essa vitória não é só minha ou dele, é de todos os amigos, de todos que confiaram nele”.

Acompanhando de Manaus/AM o desempenho de Vitor, o fisioterapeuta Francisco Coelho destacou a superação do atleta amazonense. O profissional realizou durante seis meses uma preparação especial para que o nadador aguentasse os mais de trinta quilômetros de prova. “Foram seis meses, de segunda a sábado, realizando um trabalho de prevenção e recuperação muscular do corpo inteiro. A gente sabia que seria uma prova extremamente desgastante e, por incrível que pareça, ele precisava aprender a lidar com a dor que sentiria em todo o percurso. Estou extremamente orgulhoso dele, pois ele representa um jovem dedicado, estudioso, focado e vitorioso. O esporte mostra o melhor dele, que também é um ser humano humilde e de muita Fé”, destacou.

Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita

[JUDÔ] - Marcelo Campbell faz história e conquista Prata no México

Da Assessoria de Comunicação da Sejel
Fotos: Anderson Silva/Sejel

Manaus/AM - O judoca Marcelo Campbell, 16 anos, deixou gravado o nome do Amazonas numa das principais competições internacionais do mundo, o Campeonato Pan-Americano Sub-18, em Cancún, no México. Representando a Seleção Brasileira, o atleta conquistou neste final de semana a Medalha de Prata, pela categoria 90 quilos, que o colocou de vez como destaque no Judô nacional. O jovem, que desembarcou na noite deste domingo (02/07) em Manaus/AM, é apoiado pelo Governo do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

De longe, essa é a mais importante conquista da carreira de Marcelo, que está próxima de completar uma década. Para o feito, o atleta fez três lutas no último sábado (01/07). Os adversários não foram páreos para o amazonense líder do Ranking Nacional na categoria Sub-18, que venceu as lutas por ippon e wazari. Na Final, uma pequena falha fez o amazonense sofrer duas faltas e ficar com a Prata. O canadense Benjamin Kendrick ficou com o Ouro, enquanto que o argentino Juan Ignacio e Ian Ryder ficaram com a terceira e quarta colocação.

“É uma sensação de realização em ver que o meu esforço foi recompensado. Venho trabalhando duro desde o início do ano e não esperava que nada disso fosse acontecer tão rápido. No início do ano eu era um dos últimos do Ranking no Brasil e agora sou um dos primeiros. É uma felicidade absurda”, comentou o atleta que pela primeira vez vestiu o uniforme da Seleção.

O salto no Ranking – de último para o primeiro lugar – resultado de muito treino e esforço diário nos dojôs de Manaus/AM e São Paulo/SP, podem levar o Judoca baré para ainda mais longe, desta vez para o Mundial da categoria no Chile. “A convocação vai sair no final de semana. Acho que eles (Confederação Brasileira Judô - CBJ) ficaram surpresos, já que não é de esperar que os atletas do Norte tenham destaques. Vou aguardar a convocação para o Mundial e estou muito na torcida. Pensamento positivo toda hora”, afirmou Campbell, prometendo se dedicar aos estudos durante a semana.

Para o treinador do Judoca, Aron Fort, o momento é de treinar mais e ficar com o coração na mão por conta da convocação para o Mundial. “Agora é só expectativa da convocação para o Mundial. Ele tem feito o papel dele, agora é viver uma semana de expectativas e se Deus quiser ele vai ser convocado”, acredita Aron.

A primeira conquista internacional de Marcelo encheu de orgulho os familiares e amigos que estiveram presentes no aeroporto Eduardo Gomes, no último domingo (02/07). Um dos mais animados e felizes era o funcionário público e pai do pupilo, Marcelo Fonseca (foto da postagem). “É uma sensação de dever cumprido, poder ver o retorno do investimento quando colocamos ele no Judô, ainda criança. Sempre incentivamos ele a ter o espírito competitivo e fazer o esporte não por fazer, mas para ser Campeão, um atleta de ponta. É uma caminhada árdua e ele deve estar sempre pronto. Ele derrotou o americano em 20 segundos, o cara nem viu o que passou por ele. Estamos muito orgulhosos e tenho certeza que ele vai dar muito orgulho para o Amazonas e para o Brasil”, contou o pai.
Com cordiais
Saudações Fastianas!
Teófilo Benarrós de Mesquita